''Um adendo por favor, seres lindos que leem meu blog!
Preciso que entendam, se possível for, uma coisinha (básica), não escrevo textos pondo EU ali, ou então relatando minhas singelas emoções/vivencias/sentimentos... Para isso existem diários e cartinhas, como na pré adolescência. Então, please! São apenas palavras que surgem e acabam encaixando-se, e logo tornam-se uma escrita, uma frase, um texto (legal ou não)
Só queria dizer...''


domingo, 21 de julho de 2013

O que nos mantém

Eu gosto do modo como você me interpreta, do jeito como me descobre escondida dentro do meu próprio eu!
Gosto de como segura minhas mãos e de como desenha meu corpo quando as passa por ele.
Posso sentir como você gosta quando pode me tocar e sei que você gosta de quando consegue me beijar.
Não é questão de dever, nem mesmo poder... É só um deixar acontecer, um bem, um querer...
Não importa se deveria ou poderia, a gente ama e é feliz assim.
Você me decifra e eu te codifico, nesta a gente se entrega, e se revela e se mantém, até onde se pode ir, até além!
Amamos, e isso é tudo.
O tempo a gente deixa de lado, não importa o quanto já se viveu ou vai viver, tempo é particular de cada um, peculiar é o modo como o interpretamos, ele pode ser demais ou de menos, pra mim, ele está na medida certa. Porque o vejo hoje, e eu gosto do que vejo agora.
Você me tem nas mãos, mas eu posso correr mesmo assim, se eu quiser, se eu dever. Eu o tenho em mim, mas você pode partir se preferir, e então não há correntes nem apegos. Deixamos existir apenas o bom senso do amar, do saber amar. Você me cativa e eu te conquisto, a gente se olha, é tão bobo nosso riso, por fim acho que isso é o que nos mantém. E nos faz bem.


Nenhum comentário:

Postar um comentário